Os preços das habitações vão continuar a subir?

Os preços das habitações vão continuar a subir?

VendeoPróprio.Com

Já há estudos que apontam para um sobreaquecimento dos preços das casas na União Europeia, sendo Portugal um dos países associados a esse fenómeno. Qual é, de facto, a realidade Portuguesa? Do lado da procura, podemos dizer que a baixa das taxas de juros teve como efeito, nos últimos anos,  uma maior deslocação de investimentos de capital para o setor imobiliário, porque este proporciona retornos mais interessantes. Também alguns fatores de politica no setor imobiliário, como os vistos Gold, tiveram a sua contribuição para o incremento do investimento neste setor. Ultimamente, os desfasamentos nas cadeias de fornecimentos derivados aos efeitos da pandemia na economia, e os aumentos dos custos de energia, vieram colocar pressão nos preços das matérias primas. Em consequência, os custos de construção estão em permanente subida há vários meses com efeitos imediatos nos preços das casas novas. Também o desequilíbrio entre a oferta e a procura, com o excesso desta em face da reduzida oferta de casas no mercado, tem sido outro fator a influenciar a subida de preços.
Já quanto ao futuro não se prevê grandes alterações no imediato, talvez para o segundo semestre de 2022 possa ocorrer uma estabilização das cadeias de fornecimento e, em consequência, uma estabilização do preço das matérias primas. Por outro lado, a inflação, que já está em tendência crescente, associada a um provável aumento das taxas de juro, que têm estado em mínimos históricos, poderão influenciar o setor, limitando alguma da procura e estabilizando os preços. O próximo ano será talvez de expetativa nos mercados, o "esperar para ver" pode prevalecer e condicionar alguns investimentos no setor.